Fernando Haddad é um político e professor universitário brasileiro que sempre demonstrou grande interesse pela leitura e escrita. Apesar de sua agenda apertada, ele sempre dedicou tempo para se dedicar a livros de variados gêneros e autores. Segundo Haddad, a leitura é uma das atividades mais importantes para o desenvolvimento cognitivo e cultural de qualquer pessoa.

Entre os livros que marcaram a vida de Haddad, o seu favorito é Grande Sertão: Veredas, de João Guimarães Rosa. Publicado em 1956, o livro é considerado uma das obras mais importantes da literatura brasileira. A narrativa complexa, cheia de elementos regionais e folclóricos, é um verdadeiro desafio para o leitor. E é justamente por isso que Haddad admira tanto essa obra: por seu poder transformador e provocativo.

No livro, o autor retrata a trajetória do jagunço Riobaldo, que atravessa o sertão mineiro em busca de um amor proibido. Ao longo da história, o personagem explora suas inquietudes, medos e desejos, em um mundo repleto de superstição e magia. Com um estilo literário inovador, Guimarães Rosa mistura as falas populares com a linguagem culta, criando uma atmosfera única e fascinante.

Para Haddad, a leitura de Grande Sertão: Veredas foi um marco em sua formação literária e cultural. Ele diz que o livro o ajudou a compreender as diferentes formas de expressão artística e a importância da diversidade cultural para a sociedade brasileira. Além disso, a obra o ensinou a valorizar a língua portuguesa e a apreciar a riqueza dos diferentes sotaques e regionalismos do país.

Na visão de Haddad, a literatura brasileira é uma das mais ricas e diversificadas do mundo. Ela retrata não só os aspectos culturais regionais, mas também as complexidades sociais e políticas do país. Através dos livros, podemos conhecer os diferentes pontos de vista e experiências das pessoas, ampliando nossa visão sobre a vida e o mundo.

Por isso, Haddad acredita que a leitura é fundamental para o desenvolvimento humano e para a formação de uma sociedade mais justa e igualitária. Ele defende que todos devem ter acesso à literatura e que o Estado deve investir em políticas públicas que incentivem a cultura e a educação.

Em resumo, o livro favorito de Haddad é uma obra-prima da literatura brasileira que representa a diversidade cultural e regional do país. Para o ex-candidato à presidência, a leitura é um elemento chave para o desenvolvimento cognitivo e cultural das pessoas. Ele espera que mais pessoas possam se interessar pela literatura brasileira e descobrir novas formas de expressão artística.